Evangelismo






250
Data: 2018-11-22
Titulo: Nossa responsabilidade politico-cristã.
Autor: antonio.borges
Mensagem:

Quando confrontados com a complexidade da vida moderna, os cristãos podem ser tentados a se dirigir a dois extremos. Primeiramente, podem sucumbir ao desespero e ate mesmo ao cinismo, citam com razões devido a situação estar incorrigivel, as discórdias entre cristãos. a Bíblia antiquada e assuntos que so podem ser compreendidos por especialistas. Não creem que Deus fala conosco por meio das escrituras e nos leva a verdade, em segundo lugar podem ser ingênuos e simplistas, essas pessoas querem soluções rápidas e frequentemente vêem os assuntos em preto e branco, em vez de refletir sabiamente sobre os mesmos, olhando á luz das escrituras sagradas.

Entretanto, mesmo se já fizemos nosso dever de casa e discutimos, debatemos e oramos juntos, precisamos nos perguntar: "Nos ombros de quem esta a responsabilidade politica ?" Não fazer e responder essa pergunta é uma das principais razões da atual confusão sobre o envolvimento cristão na politica. Precisamos distinguir entre individuos, grupos e igrejas. Todos os cristãos como individuos deveriam ser politicamente ativos, no sentido de como cidadãos conscientes votarem nas eleições, informarem-se sobre os assuntos conteporrâneos, participarem de debates públicos e talvez escreverem para um jornal, argumentarem com seus candidatos eleitos ou participarem de manifestação. Além disso, alguns individuos são chamados por Deus para dar suas vidas ao serviço politico, tanto no governo local, estadual ou nacional.

Adequados os pensamentos e a ação politica de individuos e grupos cristãos, a igreja como um todo, deve se envolver em politica ? A igreja precisa estar ciente de suas responsabilidades, ensinando o evangelho de Cristo e obediência as leis e autoridades constituidas, esse é o dever dos pastores, professores e lideres. Quando a igreja conclui que a fé ou a intregridade biblica requerem que ela tome uma posição pública a respeito de algum assunto, então ela deve obedecer á palavra de Deus e confiar.

Pensar que a igreja deve ir além do ensino e tomar atitudes politicas corporativas em relação ao Estado é como se aderissemos á tradição luterana, reformada ou anabatista em relação a igreja, pelo menos devemos concordar que a igreja não deve entrar nesse campo sem habilidade necessária. Porém, se os lideres fazem sua tarefa de casa com esmero, dedicam tempo e se esforçam estudando um assunto juntos, a fim de alcançar o pensamento cristão comum e recomendar uma ação fundamentada nos principios cristãos, a postura informada e unida deles passa a ser extremamente influente.

Rev. John Stott